Montreux Riviera (Suíça) – Onde comer e saborear o melhor da Suíça francesa

A zona hoteleira da parte francesa da Suíça é Montreux. A cidade é turística mesmo para suíços e europeus, sendo movimentada principalmente por grandes eventos e ricassos cansados da vida mortal, em busca de todo o luxo possível.

A vantagem é que, esteja você hospedado em Montreux, Vevey, Lausanne ou Genebra, dá pra ir a qualquer uma das outras facilmente, em menos de uma hora. Acredite: vale a pena, nem que seja só por um grande jantar. Nós mesmos fizemos isso mais de uma vez, sempre indo de trem. Primeiro, porque andar de trem na Suíça nunca é demais; segundo, porque a gente bebe, né =D.

Os lugares que listamos são para jantar. E jantar bem! Com cerca de CHF 80,00 (praticamente o mesmo que US$ 80,00) por pessoa, você come: uma boa entrada, prato principal, sobremesa e duas taças de vinho. Caro, sim; supervalorizado, não. O serviço na Suíça é impecável, assim como a qualidade dos ingredientes, o cozimento perfeito e os ambientes.

Tentando economizar ou quando bater a saudade do podrão, coma um dos deliciosos doners ou kebabs de rua. Já nos restaurantes, vista seu melhor uniforme coxinha porque o negócio é chique!

1) Café Trés (Montreux)

O Café Trés é uma das grandes novidades da região. Faça reserva porque ele lota rápido! Esse jovem bistrô tem muita classe, mas pouca cerimônia. De gastronomia predominantemente francesa, as poucas opções ajudam quem está com preguiça de tomar decisões.

A entrada foi este carpaccio de Fera, um peixe do Lago de Genebra, que banha toda a região. Se escreve Fera mesmo. Tipo: “e aí fera, beleza?”.

Eu gostei tanto que pedi outro, só que agora o filé, grelhado, com taglatelle vegetariano. Sensacional. O Sidão foi de Dourado com purê de brócolis.

De sobremesa, um crème brûlée e um gelato pra se aclimatar à chiqueza dessa Suíça!

Carpaccio de Fera (leia Ferrá), peixe da Região do lago de Genebra.

Filé de Fera com taglatelle de legumes al dente.

FIlé de DOurado com purê de brócolis.

2) La Rouvenaz (Montreux)

A primeira noite foi em um bistrô francês. Então, pra segunda, teve restaurante italiano! Eu comecei na salada caprese, olha só a apresentação… e fui pro risotto de frutos do mar, com lula, camarão e mexilhões. Tiramisú pra finalizar mais uma grande refeição!

Salada caprese.

Risotto de frutos do mar.

Spaghetti de frutos do mar.

Tiramisú.

3) Café du Grutli (Lausanne)

Agora já em Lausanne, mais precisamente na cidade velha. O Café du Grutli serve o verdadeiro fondue suíço no térreo desse predinho, desde 1849! Depois de tantos anos, chegou nossa vez!

Pra começar, um dry beef, muito similar ao presunto parma.

E aí ele finalmente chega: o fondue! Nada de invenção, 500 molhos e tal… é só a batata cozida, que vêm em um saco de pano, e o Gruyère borbulhando com o Emental na panela. Ge – ni – al!

Sobremesa não pode faltar, especialmente as que misturam sorvete com álcool. É infalível.

Fondue tradicional do Café du Grutli, em Lausanne.

Mas não sem então comer uma porçãozinha de presunto bovino cru.

4) Eat Me (Lausanne)

O Eat Me é um bar de tapas, com porções pequenas de um monte de coisa. Sério, um monte mesmo. E é tudo sazonal, pode ser que você vá, goste, volte no dia seguinte e tudo tenha mudado. Minha sugestão: pede pro garçom te fazer as recomendações, de acordo com o que você gosta. A gente foi da mussarela de búfala ao hamburguer, passando por camarões empanados, cebiche e filé de cordeiro. Seria exagero, se as porções não fossem tão pequenininhas. Em duas pessoas você vai comer umas 6 ou 7. Sem contar as outras três da sobremesa =D. Todas fantásticas!

Marromeno sushi, marromeno cebiche. Esse estava demais!

Costelinha na brasa.

Camarão empanado.

 

O 3em3 visitou a Riviera de Montreux, na Suíça, a convite do Switzerland Tourism a da Edelweiss.

Texto: Tiago Caramuru
Imagens: Tiago Caramuru / Sidney Michaluate
Edição: Tiago Caramuru / Anderson Spinelli

Comentários

Sobre o Autor
- Desde que descobriu que viajar é possível, viciou. Muita disciplina financeira, um pouco de sorte. Nada como uma viagem após a outra. Escreve o blog Esvaziando a Mochila desde 2009. Publicou, em 2014, o trabalho fotográfico Rumo às Primeiras Mil Viagens, compilação de 100 retratos e paisagens feitos pelo mundo, durante quatro anos.